Aprender a programar ensina como pensar As crianças são estimuladas a pensarem o que está por trás dos softwares e games que tanto usamos diariamente. Essa lógica as torna mais criativas e inteligentes ao lidar com problemas diversos.

Escrito por: Guilherme Carvalho

“Todo mundo deveria saber como programar um computador porque isso ensina você como pensar”. Quando disse isso, Steve Jobs explicava um pouco por que sua forma de pensar a realidade é diferente de muita gente. Agregado a isso, obviamente, outras características de sua formação o fizeram o gênio que foi. Mas muitos outros como Bill Gates e Mark Zuckerberg compartilham desse mesmo pensamento de Jobs. E, na prática, entender o mundo por trás dos softwares tem se tornado cada vez mais um grande diferencial profissional e pessoal. E tem muita gente levando isso a sério, especialmente em países como Inglaterra e Estados Unidos. Por lá, programas especiais já estão inseridos dentro da carga horária das crianças que crescem com esse novo modo de pensar. “No Ensino Médio pode ser muito tarde”, afirma um dos pesquisadores do projeto Code.org, Hadi Partovi. Por esse motivo, tanta gente importante pelo mundo, inclusive o Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, se uniu à campanha para estimular que crianças aprendam linguagem de programação o quanto antes. coding_my_life_away_by_izzuthug-d4dgn1d.pngNão se trata de todos serem programadores no futuro, mas de entenderem da lógica por trás dessa linguagem. As crianças, portanto, são estimuladas a pensarem o que está por trás dos softwares e games que tanto usamos diariamente. Essa lógica as torna mais criativas e inteligentes ao lidar com problemas diversos. E tudo isso é feito da forma mais lúdica para engajar essas crianças em ambientes de alto aprendizado.

Mark Zuckerberg admite que “Aprender a programar não começou comigo tentando aprender tudo sobre Ciência da Computação ou tentando dominar essa disciplina; simplesmente começou porque eu queria fazer uma coisa simples, algo divertido para mim e minhas irmãs”.  Ou seja, começamos a nos divertir e vamos sendo estimulados cada vez mais a descobrir coisas novas.

Se você observou o vídeo no início desse artigo deve ter reparado que na ABA Global Education as crianças já estão sendo colocadas diante desse novo paradigma. “É por esse e muitos outros motivos que deixamos de ser somente uma escola de inglês; as crianças aqui aprendem efetivamente como serem melhores e como contribuírem para um mundo melhor”, afirma Roberta Ferraz, uma das idealizadoras do programa Coding4Life na ABA. Se você tem interesse em mais informações sobre o programa entre em contato pelo e-mail inovacao@abaweb.org.