Ser competente não é mais suficiente No mundo interconectado, ser globalmente competente passa a ser um requisito para os novos profissionais. Entenda o que isso significa e como pode desenvolver-se diariamente.

Escrito por: Thays, Roberta e Cecília

Na perspectiva de mundo interconectado e sem barreiras, ser competente globalmente é ter habilidades e competências para interagir com pessoas e empresas de diversos países antes considerados distantes e “estrangeiros”. Ter tais competências nesse contexto é essencial para viver e ser bem sucedido no que se propuser. O domínio da língua inglesa, por exemplo, permite ao cidadão a possibilidade de analisar perspectivas diversas, refletir e ponderar, tornando-o agente ativo na comunidade global. Tudo isso porque neste contexto é essencial ter uma língua que permita manter-se conectado com o mundo e colocar em prática todo o processo de competência global que envolve 4 elementos:

Investigar o mundo – Ser globalmente competente começa com o fato de estar ciente e consciente sobre o que acontece no mundo. Ser curioso e ter interesse em aprender sobre o mesmo. Esse mundo começa pelo nosso mundo local.

Analisar perspectivas – Pessoas globalmente competentes reconhecem que cada indivíduo possui sua perspectiva sobre o mundo e diferentes contextos. Elas sabem que a diversidade entre povos, culturas e identidades pode influenciar sua visão e compreensão do mundo. É preciso ir além da notícia e da visão que chega facilmente ao nosso conhecimento e buscar analisar os fatos sob diferentes óticas, a fim de estabelecer conexões, perceber ligações e ser capaz de formar e sustentar sua opinião.

Comunicar ideias – Entender que a compreensão tem por base a diversidade cultural, social e histórica, e é um fator muito importante para comunicar efetivamente em um mundo cada vez mais globalizado. Comunicar não envolve apenas o ato de falar, mas sim o fato de compreender os contextos através de um olhar crítico e reflexivo, que dará ao comunicador a competência de verdadeiramente transmitir a mensagem – verbal ou não – para públicos diversos.

Agir/Atuar – Atuar é sair de uma posição passiva enquanto conhecedor do mundo e passar a ser sujeito de ação que faz a diferença.

De forma ética e criativa, pessoas globalmente competentes conseguem visualizar um futuro construído no presente, a partir de ações baseadas em reflexão sobre a análise de perspectivas, a leitura do contexto social e o pensamento crítico. global-competence A competência global pode ser desenvolvida através de várias atividades, projetos e eventos. Na ABA, por exemplo, os alunos são expostos a situações reais do mundo, são convidados a refletir e pensar criticamente, analisar as perspectivas, individual e colaborativamente. O inglês passa então a ser instrumento para um objetivo maior. Estas competências, portanto, podem ser desenvolvidas em múltiplas áreas do conhecimento (e.g. ensino de inglês) e as escolas, sejam de crianças ou adultos, devem assumir um papel de apresentar esta nova realidade para a comunidade.